domingo, 27 de maio de 2018

Modalidade, Valor modal

MODALIDADE|categoria gramatical que exprime a atitude do locutor em relação ao seu próprio enunciado e ao interlocutor

Agora que já trabalhaste o quadro da página 68 e aplicaste os conhecimentos (p. 69), fica um quadro um pouco mais detalhado e explicativo.

Modalidade
Valores
Exemplos
   1. Modalidade epistémica: o falante expressa a sua atitude sobre a verdade ou falsidade do conteúdo   proposicional do seu enunciado.

Epistémico = relativo ao conhecimento e à crença.

Frequentemente, o verbo auxiliar poder transmite o valor epistémico de possibilidade. No entanto, noutros contextos, pode ter um valor de certeza, significando capacidade de:

O João pode jogar contra vários xadrezistas ao mesmo tempo.
    1. Valor de certeza: o locutor compromete-se com a verdade ou falsidade do conteúdo do seu enunciado.
. O Benfica venceu o jogo.
. O Beira-Mar perdeu o jogo.
. O Daniel perdeu a aposta.
. Eu ganhei a aposta.
    2. Valor de possibilidade / dúvida: o locutor não se compromete com a verdade ou falsidade do conteúdo do seu enunciado, por não possuir conhecimentos prévios que lhe permitam fazê-lo.
. Talvez os alunos façam este exercício.
. Pode ser que o Benfica seja campeão.
   3. Valor de probabilidade: o locutor assume uma perspetiva favorável à aceitação da verdade do seu enunciado.

Apesar de não ter visto chover, o locutor constatou que o chão estava molhado e concluiu (inferiu) que choveu.
. Os alunos devem ter feito o trabalho.
. O burro pode ter comido a palha.
. Provavelmente vai chover.
. Acho que o Benfica vai ser campeão.
. Deve ter chovido.
2. Modalidade deôntica: o locutor procura agira sobre o seu interlocutor, proibindo ou autorizando a situação referida no seu enunciado.

O verbo dever pode transmitir o valor epistémico de probabilidade (a) e o valor deôntico de obrigação (b):

a) Ele deve estar a chegar. (= É possível que ele esteja a chegar.)

b) Deves estudar. (= É necessário que estudes.)
   1. Valor de obrigação / proibição: o locutor impõe ou proíbe aquilo que expressa no seu enunciado.






. Calem-se!
. Deveis estar calados.
. Não podeis falar tão alto.
. É proibido fumar.
   2. Valor de permissão: o   locutor autoriza a situação por si expressa.
. Podes sentar-te aí.
. Tens autorização para falar.
. Se já fizeste o TPC, podes sair.
. Amanhã, podes ver A Casa.
   3. Modalidade apreciativa: o locutor exprime um juízo de valor (positivo ou negativo) acerca do que enuncia.
Note-se que o locutor parte de um enunciado com valor de certeza: Roubaram o teu relógio. É sobre esse conteúdo (de asserção / certeza) que expressa o seu juízo de valor apreciativo: Lamento.
. Que belo dia!
. Discordo das escolhas do Jesus.
. Felizmente o Benfica ganhou.
. Como choveu ontem.
. Lamento que te tivessem roubado o relógio.
Créditos: Blogue Português - http://portugues-fcr.blogspot.pt/ 2011/10/ modalidade-valor-modal.html

Existem vários processos de expressar a modalidade:
1. Tempos e modos verbais.
2. Verbos modais: poder, dever, ter de.
2.1. Outros verbos de valor modal:
. saber, acreditar, crer;
. permitir, obrigar, precisar de, necessitar de, etc. (verbos que exprimem obrigação, necessidade ou permissão).
2.2. Os verbos auxiliares podem ter um valor modal, pois, precedendo o verbo principal no infinitivo, formam um complexo verbal para expressar modalidade – valores de desejo, probabilidade, dever, possibilidade, necessidade, certeza, dúvida...:
-        dever/obrigação: Os alunos têm de ser pontuais.
-        probabilidade: O Pedro já deve ter saído de casa.
-        permissão: Agora, podem entrar.

3. Advérbios ou locuções adverbiais de frase: seguramente, necessariamente, possivelmente, provavelmente, talvez, com toda a probabilidade...
4. Adjetivos com sentido modal: capaz, possível, provável (É capaz de …, é provável que…, é possível que …).
5. Expressões modais: estou em crer, se não me engano, de facto, na minha opinião, creio eu, etc.
6. Construções exclamativas e interrogativas (na escrita) e a entoação (na oralidade) traduzem uma apreciação.
7. Nomes avaliativos (podem contribuir para a construção da modalidade apreciativa): charlatão, herói, carrasco, verdugo, etc.

EXEMPLO
Atenta nas frases:
a. O Pedro fez o trabalho.
b. O Pedro não fez o trabalho.
c. O Pedro deve ter feito o trabalho.
d. Acho que o Pedro fez o trabalho.
e. Talvez o Pedro tenha feito o trabalho.
f.  O Pedro pode ter feito o trabalho.
g. O Pedro pode não feito o trabalho.

      Todos os enunciados acima podem servir de resposta à pergunta
«O Pedro fez o trabalho?»
 Os seus valores modais (ou modalidade) são, pois, todos do mesmo tipo – Epistémico -  embora apresentem diferentes graus, dependentes da maior ou menor certeza/probabilidade, expressa pelos elementos assinalados.

Sem comentários: