domingo, 27 de maio de 2018

Modalidade, Valor modal

MODALIDADE|categoria gramatical que exprime a atitude do locutor em relação ao seu próprio enunciado e ao interlocutor

Agora que já trabalhaste o quadro da página 68 e aplicaste os conhecimentos (p. 69), fica um quadro um pouco mais detalhado e explicativo.

Modalidade
Valores
Exemplos
   1. Modalidade epistémica: o falante expressa a sua atitude sobre a verdade ou falsidade do conteúdo   proposicional do seu enunciado.

Epistémico = relativo ao conhecimento e à crença.

Frequentemente, o verbo auxiliar poder transmite o valor epistémico de possibilidade. No entanto, noutros contextos, pode ter um valor de certeza, significando capacidade de:

O João pode jogar contra vários xadrezistas ao mesmo tempo.
    1. Valor de certeza: o locutor compromete-se com a verdade ou falsidade do conteúdo do seu enunciado.
. O Benfica venceu o jogo.
. O Beira-Mar perdeu o jogo.
. O Daniel perdeu a aposta.
. Eu ganhei a aposta.
    2. Valor de possibilidade / dúvida: o locutor não se compromete com a verdade ou falsidade do conteúdo do seu enunciado, por não possuir conhecimentos prévios que lhe permitam fazê-lo.
. Talvez os alunos façam este exercício.
. Pode ser que o Benfica seja campeão.
   3. Valor de probabilidade: o locutor assume uma perspetiva favorável à aceitação da verdade do seu enunciado.

Apesar de não ter visto chover, o locutor constatou que o chão estava molhado e concluiu (inferiu) que choveu.
. Os alunos devem ter feito o trabalho.
. O burro pode ter comido a palha.
. Provavelmente vai chover.
. Acho que o Benfica vai ser campeão.
. Deve ter chovido.
2. Modalidade deôntica: o locutor procura agira sobre o seu interlocutor, proibindo ou autorizando a situação referida no seu enunciado.

O verbo dever pode transmitir o valor epistémico de probabilidade (a) e o valor deôntico de obrigação (b):

a) Ele deve estar a chegar. (= É possível que ele esteja a chegar.)

b) Deves estudar. (= É necessário que estudes.)
   1. Valor de obrigação / proibição: o locutor impõe ou proíbe aquilo que expressa no seu enunciado.






. Calem-se!
. Deveis estar calados.
. Não podeis falar tão alto.
. É proibido fumar.
   2. Valor de permissão: o   locutor autoriza a situação por si expressa.
. Podes sentar-te aí.
. Tens autorização para falar.
. Se já fizeste o TPC, podes sair.
. Amanhã, podes ver A Casa.
   3. Modalidade apreciativa: o locutor exprime um juízo de valor (positivo ou negativo) acerca do que enuncia.
Note-se que o locutor parte de um enunciado com valor de certeza: Roubaram o teu relógio. É sobre esse conteúdo (de asserção / certeza) que expressa o seu juízo de valor apreciativo: Lamento.
. Que belo dia!
. Discordo das escolhas do Jesus.
. Felizmente o Benfica ganhou.
. Como choveu ontem.
. Lamento que te tivessem roubado o relógio.
Créditos: Blogue Português - http://portugues-fcr.blogspot.pt/ 2011/10/ modalidade-valor-modal.html

Existem vários processos de expressar a modalidade:
1. Tempos e modos verbais.
2. Verbos modais: poder, dever, ter de.
2.1. Outros verbos de valor modal:
. saber, acreditar, crer;
. permitir, obrigar, precisar de, necessitar de, etc. (verbos que exprimem obrigação, necessidade ou permissão).
2.2. Os verbos auxiliares podem ter um valor modal, pois, precedendo o verbo principal no infinitivo, formam um complexo verbal para expressar modalidade – valores de desejo, probabilidade, dever, possibilidade, necessidade, certeza, dúvida...:
-        dever/obrigação: Os alunos têm de ser pontuais.
-        probabilidade: O Pedro já deve ter saído de casa.
-        permissão: Agora, podem entrar.

3. Advérbios ou locuções adverbiais de frase: seguramente, necessariamente, possivelmente, provavelmente, talvez, com toda a probabilidade...
4. Adjetivos com sentido modal: capaz, possível, provável (É capaz de …, é provável que…, é possível que …).
5. Expressões modais: estou em crer, se não me engano, de facto, na minha opinião, creio eu, etc.
6. Construções exclamativas e interrogativas (na escrita) e a entoação (na oralidade) traduzem uma apreciação.
7. Nomes avaliativos (podem contribuir para a construção da modalidade apreciativa): charlatão, herói, carrasco, verdugo, etc.

EXEMPLO
Atenta nas frases:
a. O Pedro fez o trabalho.
b. O Pedro não fez o trabalho.
c. O Pedro deve ter feito o trabalho.
d. Acho que o Pedro fez o trabalho.
e. Talvez o Pedro tenha feito o trabalho.
f.  O Pedro pode ter feito o trabalho.
g. O Pedro pode não feito o trabalho.

      Todos os enunciados acima podem servir de resposta à pergunta
«O Pedro fez o trabalho?»
 Os seus valores modais (ou modalidade) são, pois, todos do mesmo tipo – Epistémico -  embora apresentem diferentes graus, dependentes da maior ou menor certeza/probabilidade, expressa pelos elementos assinalados.

1 comentário:

Unknown disse...

No âmbito da avaliação da notícia retirada do Jornal "Correio da manhã" do dia 27 de Junho que têm como tema "Carências em Oftalmologia"
Nesta notícia consegui perceber que a carência na oftalmologia têm vindo a prejudicar os utentes, pois a lista de espera para consultas ou até cirurgias é muito longa tendo como consequência os problemas de visão aumentarem.
Vendo isso nas pessoas que têm poucos recursos económicos, podem mesmo perder a visão porque o SNS(Sistema Nacional de Saúde)têm má gestão económica, não vendo a prioridade da saúde.
Com esta avaliação, constatei que Portugal na saúde deveria tomar exemplos como os países Nórdicos que dão prioridade à saúde e bem estar dos cidadãos.
Bruna Cuco nº5, 10ºA